quarta-feira, abril 05, 2017

Lajes Pintadas: Boqueirão deverá sediar a ‘XIV Cavalgada Entre Amigos’




















A comunidade Boqueirão, em Lajes Pintadas, RN deverá sediar este ano a ‘XIV Cavalgada Entre Amigos’. A informação ainda é extraoficial, mas fontes ligadas a atual administração, diz que o evento tem tudo ser realizado naquela localidade, com a vaquejada acontecendo no Parque Dois Irmãos. 

Caso venha ser confirmada a cavalgada no Boqueirão, inovará por completo, pois há 13 anos ela vem acontecendo no Sítio Granja.

Boqueirão é hoje uma comunidade conhecida da região por realizar grandes eventos entre os quais, a festa da Padroeira, festejos juninos e torneios de futebol.

Vale lembrar que a cavalgada Entre Amigos, está no calendário cultural do município.  

Agora só resta aguardar para ver se o evento será confirmado, ou não? 


23 comentários:

  1. Grande falta de respeito, ao grande e belo evento Cultural,muita falta de retidão,pra quem está idealizando e planejando. sou a favor sim que organize outro evento em outro mês diferente,com temos a tradição da festa, que é linda. Só está faltando mudar a Festa de São Francisco de Assis.

    ResponderExcluir
  2. Tambem axo muita falta de respeito mudar para outro local apois varios anos sendo no sitio granja ! O encanto da festa naquele povoada dando mas anino aos moradores e alguma fonte de renda durante o evento.

    ResponderExcluir
  3. Acho que nada disso é estranho. Até porque o mundo vive num eterno processo de mudança.

    ResponderExcluir
  4. Quem transforma o mundo,é o próprio ser humano, com a sua ganância devoradora. Tudo querem mudar.Vão transformar. o mar, as estrelas, Se o Divino Mestre proporcionou o primeiro momento no Sítio Granja, vamos respeitar, Quem criou este objetivo, está precisando buscar mais um pouco de sabedoria e valorizar,o pouco que nos resta no nosso cotidiano. Tem tantos meses durante o ano,para se organizar cavalgadas, O período da festa de Nossa Senhora, é uma festa linda.

    ResponderExcluir
  5. Antônio Carlos

    Amigos, não só existe o Sítio Granja para fazer fazer esse evento, não. Lembro-me que em outra ocasião, a Granja só serviu para ser usada para o termino desse evento. A festa e a Vaquejada foram realizada em outro lugar, esqueceram? Eu não esqueci! Boqueirão, além de ser uma comunidades hospitaleira, tem todas as ferramentas para sediar uma evento, pal como esse, como mostra as imagens que ilustra a matéria acima.

    Outra coisa, o governo é outro. Aceita que doí menos!c

    ResponderExcluir
  6. Nada está doendo,apenas eu vejo ,a falta de diguinidade e respeito......

    ResponderExcluir
  7. Porque o ser humano. Em tudo coloca política, para mim cavalgada nao têm nada com politicagem.
    Não se deve distorcer a história com assuntos fragilizados. Eu clamo por que a minha comunidade está feliz a Guardando o nosso tradicional evento cultural,e, hoje estamos nos sentindo discriminados. Por tem pessoas que não sabe valorizar o que o Sítio Granja de atração.......

    ResponderExcluir
  8. Carlos Roberto

    Não se trata de dignidade e respeito, Lucimar. Aqui se trata de um evento de Cavalgada, que este ano poderá se sediando nessa comunidade chamada Boqueirão.

    Ah, entendi sua preocupação dela permanecer na Granja, você está puxando a sardinha para sua brasa. E o povo do Boqueirão, será que não tem o mesmo direito, não?

    É só uma pergunta.

    ResponderExcluir
  9. POTENGI DE DONA AURINA E ‘SEU’ RAINEL PEREIRA DE ARAÚJO.

    Sei lá! Só sei que cada um tem seu tempo. Aqui, a Festa da Excelsa Padroeira, Nossa Senhora de Lourdes, está em processo de MUDANÇA, no tempo, saindo de Novembro para Fevereiro, mesmo que esse carnaval haja acarretado gritos de protesto e de descontentamento dos fiéis católicos.

    A Reforma da Previdência Social, com proposta de MUDANÇA no tempo de contribuição (49 anos) e da idade mínima para aposentadoria (65 anos para homens e mulheres), está em tramitação no Congresso Nacional, mesmo que a insensatez desse (des)governo haja acarretado gritos de protesto e de descontentamento da classe trabalhadora.

    Aí, na terra de ‘cumpade’’ Dr. Fábio, também, há uma perspectiva de MUDANÇA no ar: estão querendo arrancar a festa da vaqueirama (XIV Cavalgada Entre Amigos) da comunidade Granja, no Parque CÍCERO FERNANDES, para a comunidade Boqueirão, no Parque DOIS IRMÃOS, no rumo de São Tomé, no Potengi de Dona AURINA e ‘Seu’ RAINEL PEREIRA DE ARAÚJO.

    ResponderExcluir
  10. A comunidade de Boqueirao, pode orgsnizar muitas e outras. Sei que é. legal, por que lá tem potencial para tudo, mas o que eu vejo também é o acesso, que é perto vai muita gente, caminhando, o que é. de gente de reclamando não é fácil, é. por isso que eu estou, zuando,meus caros,rsrsrs,

    ResponderExcluir
  11. Meus irmãos e minhas irmãs, tenhamos muita calma e oraremos como Reinhold Niebuhr nos ensinou: ‘’Dá-me, Senhor, serenidade para aceitar as coisas que não podem ser mudadas, coragem para mudar as coisas que podem ser mudadas e sabedoria para distinguir umas das outras, vivendo um dia de cada vez, apreciando um momento de cada vez, considerando as dificuldades como o caminho para a paz, e, como Jesus fez, aceitando o mundo como ele é e não como eu gostaria que fosse, confiando que Tu farás todas as coisas se endireitarem, se eu me submeter à tua vontade, para que eu possa ser razoavelmente feliz nesta vida e completamente feliz contigo para sempre na próxima’’.

    ResponderExcluir
  12. MONSENHOR EMERSON.

    Diz Simon Saulus de Negreiros, filho do saudoso Monsenhor Emerson Deodato Fernandes de Negreiros (1924-1993) que: ‘’NA VIDA AS CONQUISTAS QUE SÃO ALCANÇADAS SEM SACRIFÍCIO E ESFORÇO PERDEM TOTALMENTE O SENTIDO DO PRAZER E DA SATISFAÇÃO.’’

    Monsenhor Emerson nasceu, em Pau dos Ferros, na região oeste do Rio Grande do Norte, a 26/02/1924, e faleceu, em Niterói, na região metropolitana do Rio de janeiro, a 03/02/1993, aos 69 anos de idade.

    Os restos mortais do saudoso pastor foram trasladados da cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, para Santa Cruz, no Rio Grande do Norte, onde, atualmente, repousam no interior da Igreja Matriz de Santa Rita de Cássia, cuja construção ocorreu no seu paroquiato no período de 1952 a 1962.

    Teve quatro filhos: Simon Saulus de Negreiros, Abílio Emanuel de Negreiros, Ioanna Carolina de Negreiros e Raíssa Maria de Negreiros. Teve também alguns netos, cujos nomes, no momento, não me são possíveis relacioná-los. Mas, se não me falha a memória, em dezembro de 2011, eram seis netos.

    ResponderExcluir
  13. Minha mãe conheceu Monsenhor Emerson. Em 1959,foi nesses anos que ele viveu em Lajes Pintadas.Não sei dizer de certeza. Acredito que fui batizada por ele. Mamãe sempre falava como ele era,na casa do meu avô tinha o quarto dos padres era grande.

    ResponderExcluir
  14. ‘’É dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida Eterna.’’
    São Francisco de Assis

    ResponderExcluir
  15. Monsenhor Emerson Deodato Fernandes de Negreiros foi substituído na Paróquia de Santa Rita de Cássia, em Santa Cruz-RN, pelo Monsenhor Raimundo Gomes Barbosa, cujo paroquiato se deu no período de 1965 a 2000.
    Monsenhor Raimundo nasceu a 27/11/1923, em Macau-RN, e faleceu a 07/10/2005, às 9h15, na Casa de Saúde São Lucas, em Natal-RN.
    ‘’Água sim, voto sim. Água não, voto não.’’
    ‘’Escolhi Santa Cruz. Quero ficar lá.’’
    Mons. Raimundo Gomes Barbosa (1923-2005)
    Está sepultado no interior da Igreja Matriz de Santa Rita de Cássia.

    ResponderExcluir
  16. Monsenhor Raimundo foi um Sacerdote que eu sempre admirei, foi um grande meditador da Verdede, sempre mostrou sua grande ideologia,recebeu todo o seu respeito merecido,distribuiu sua linguagem de retidão, em tudo que a sabedoria precisava. Enfrentou a luta pela Dutora M. Expedito, hoje ficamos com as saudades. ....

    ResponderExcluir
  17. JOSUÉ DE CASTRO E SILVA10 de abril de 2017 11:02

    É GOSTOSO FALAR DO EXEMPLO E DA PUREZA DOS JUSTOS.

    Poucos no Rio Grande do Norte foram tão justos, tão respeitados e respeitadores, tão queridos, tão dignos, tão disciplinados e cumpridores dos deveres funcionais, quanto o Monsenhor Raimundo Gomes Barbosa.

    Quem teve a felicidade de desfrutar do convívio, mesmo por alguns instantes, pôde (terceira pessoa do singular do pretérito perfeito do indicativo de poder. Neste particular, o acento circunflexo diferencial está mantido, conforme o Acordo Ortográfico de 2008) testemunhar a honradez e a dignidade de um ser humano sábio e puro.

    Quando entrou em vigor a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, prevista no Art. 65 da Lei nº 9.503/1997 (Código de Trânsito Brasileiro), Monsenhor Raimundo passou numa manhã qualquer ao lado da Praça Coronel Ezequiel, dirigindo seu veículo ‘’Pampa’’, de cor marrom, na direção da Rua Elói de Souza, já devidamente equipado.

    O Jornal Nacional havia anunciado a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança à noite, e pela manhã, logo cedo, o Monsenhor já estava cumprindo a norma de trânsito.

    Certamente, deve ter sido o primeiro motorista a usar aquele equipamento de segurança na Região do Trairi do Rio Grande do Norte.

    ResponderExcluir
  18. Depois da entrada em vigor da lei do cinto de segurança, nunca mais vi o Mons. Raimundo andar dirigindo ou no carona sem usar aquele acessório.
    Monsenhor Raimundo Gomes foi fazer um curso catequético no Chile, em março de 1965. Regressou ao Brasil em novembro daquele mesmo ano.
    Naquele país era tudo desconhecido. O monsenhor olhava em todas as direções. Não havia nada conhecido, exceto a Bandeira Nacional Brasileira tremulando no meio dos pavilhões das demais nações.

    ResponderExcluir
  19. Faço aqui como diz o político, cantor e poeta: ‘’Para que tanta ganância e correria se ninguém veio aqui para ficar?’’

    ResponderExcluir
  20. Fico pasmado diante da genialidade e da sapiência desse político, cantor e poeta, porque burro é quem fala muito e diz pouco ou quase nada, e sábio é quem fala pouco e diz tudo ou quase tudo.

    ResponderExcluir
  21. Tem cabra de peia, ladrão, moleque, safado, que num veio pra ficar, mas veio pra levar desde o imposto do IPTU à merenda escolar.

    ResponderExcluir
  22. Comeram o dinheiro do IPTU dos moradores da cidade e de mais de 200 placas de taxi? É isso que se ouve dizer por aí afora nas esquinas da vida.

    ResponderExcluir
  23. Duzentas placas de táxi, que táxi, hein, cara-pálida?

    ResponderExcluir